A tua história

Foi preciso travar duras batalhas, foi preciso congelar no tempo, foi preciso deixar de pensar para apenas respirar e sentir que estava viva. 
Porque andamos aqui de um lado para o outro como fantoches, nem sentimos esta máquina que nos mantem vivos e de pé. 
Porque lutamos contra o tempo, não temos tempo, e quando temos tempo não sabemos o que fazer com ele, logo o ocupamos com algo. 
Porque achamos que parar para sentir por momentos é perder tempo. 
Pelo contrário, é ganhar tempo para aprender a conhecermo-nos, e ver de forma diferente os outros e aceitá-los. 
É percebermos que caminhamos sozinhos mas com confiança, responsáveis pelos caminhos que escolhermos. 
É observar a ligação que temos com as pessoas e o papel que elas têm nas nossas vidas. 
É aceitar em que capítulos elas vão entrar. 
E são os capítulos difíceis de escrever que por mais anos, as suas folhas, vão resistir à passagem do tempo. 
Porque a esses capítulos correspondem aquelas pessoas ou situações que por bem ou por mal nos relembram, todos os dias, que temos que continuar a escrever o livro. 
Que nos impulsionam a escrever um fim à história. 
Porque paramos sem saber o que fazer no fim de cada capítulo porque lá está a enigmática e indesejada página branca. 
Porque achamos que o que vem a seguir é mau quando era muito mais fácil pensar o contrário. 
Não existem livros com páginas em branco ou canetas que não escrevam, ou ainda más histórias. 
Existe a tua história, a história que tu vais escrever com as tuas palavras, com as tuas lágrimas e os teus sorrisos, estas são as letras que vão compor o teu texto. 
Mas ninguém o pode fazer por ti, por ti apenas estamos aqui para ler, ler a tua história e aplaudir no final porque a escreveste!